Minhas Canções.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Não sei...

“Não me façam ser quem não sou.
Não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente.
Não sei amar pela metade.
Não sei viver de mentira.
Não sei voar de pés no chão.”
(Clarice Lispector)

Ser você mesmo, sem máscaras e artifícios é uma arte cada vez mais rara.
Mais vale a pena tentar, pois mesmo correndo o risco de se decepcionar, melhor chorar por ser verdadeira, do que sorrir eternamente como se fosse uma "manequim".
Bênção e luz.
Lua

quinta-feira, 20 de março de 2014

Feliz Mabon!! Feliz Outono

Bendito seja o anseio que te trouxe aqui e que aviva a tua alma com assombro.
Que tenhas a coragem de acolher o teu anseio eterno.
Que aprecies a companhia crítica e criativa da pergunta “Quem sou eu?” e que ela ilumine o teu anseio.
Que uma secreta Providência Divina guie o teu pensamento e proteja o teu sentimento.
Que a tua mente habite a tua vida com a mesma certeza com que teu corpo se integra ao mundo.
Que a sensação de algo ausente amplie a tua vida.
Que a tua alma seja livre como as sempre renovadas ondas do mar.
Que vivas perto do assombro.
Que te integres ao amor com o arrebatamento da Dança.
Que saibas que estás sempre incluído no benévolo círculo de Deus.
Que assim seja!

Fonte: Textos extraídos do livro “Ecos Eternos” de John O’Donohue; Editora Rocco.

Que a boa colheita sempre se faça presente em todos os lares.
Bênção e luz.
Lua 

domingo, 9 de março de 2014

Soneto do amigo

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...
(Vinicius de Moraes)

Graças aos Deuses,  fiz muitos amigos virtuais, que se tornaram essencial ao meu viver, e qual foi minha surpresa, descobri que eu também me tornei importante na vida de muitas pessoas.

Que possamos sempre sorrir juntos, desabafar, chorar, gargalhar, e sentir viva através de um carinho "virtual", e EU NÃO ACREDITAVA que isso pudesse acontecer. Que bom que pude ver que eu estava errada, amigo virtual existe sim e, é muito importante na nossa vida.

Então a todos os meus amigos irmãos de alma e aos meus amigos nem tão perto, o meu agradecimento, o meu carinho e o meu amor sempre.
Beijos de luz.
Lua

quinta-feira, 6 de março de 2014

Sorri...

Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz
(John Turner e Geoffrey Parsons)

Abraços de luz.
Lua

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Que assim seja...

"Que sejas abençoado nos Nomes Sagrados daqueles que suportam a nossa dor pela montanha da transfiguração acima.
Que conheças o suave abrigo e a graça restauradora quando fores chamado a resistir na morada da dor.
Que os pontos de escuridão no teu íntimo se voltem na direção da luz.
Que te seja concedida a sabedoria de evitar a falsa resistência e, quando o sofrimento bater à porta da tua vida, sejas capaz de lhe vislumbrar a dádiva oculta.
Que sejas capaz de enxergar os frutos do sofrimento.
Que a memória te abençoe e te abrigue com a arduamente obtida luz do esforço passado, que isso te dê confiança e segurança.
Que uma janela de luz sempre te surpreenda.
Que a graça da transfiguração te cure as feridas.
Que saibas que, embora a tempestade possa rugir, nem um fio do teu cabelo será magoado...
(Textos extraídos do livro “Ecos Eternos” de John O’Donohue; Editora Rocco).
Abraços de luz.
Lua 


quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Ontem chorei....

Ontem chorei. 
Por tudo que fomos. 
Por tudo o que não conseguimos ser. 
Por tudo que se perdeu. 
Por termos nos perdido. 
Pelo que queríamos que fosse e não foi.
Pela renúncia.
Por valores não dados.
Por erros cometidos.
Acertos não comemorados.
Palavras dissipadas.
Versos brancos.
Chorei pela guerra cotidiana.
Pelas tentativas de sobrevivência.
Pelos apelos de paz não atendidos.
Pelo amor derramado.
Pelo amor ofendido e aprisionado.
Pelo amor perdido.
Pelo respeito empoeirado em cima da estante.
Pelo carinho esquecido junto das cartas envelhecidas no guarda- roupa.
Pelos sonhos desafinados, estremecidos e adiados.
Pela culpa.
Toda a culpa.
Minha.
Sua.
Nossa culpa.
Por tudo que foi e voou.
E não volta mais, pois que hoje é já outro dia.
Chorei.
(Caio Fernando de Abreu)
As vezes nosso mundo muda tanto, que nos sentimos tão perdidos...Tão desamparados...Tão desprotegidos...
O Tempo ajuda? Sim...Mais demora muito mais que gostaríamos.
E muitas vezes só queremos colo, sem recriminações e nem lição de moral...
Somente colo e um carinho desinteressado...
Um beijo carinhoso em todos os meus amigos que estão sempre presente aqui.
Lua

domingo, 5 de janeiro de 2014

Feliz dia todo dia!


Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, 
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido 
(mal vivido talvez ou sem sentido) 
para você ganhar um ano 
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, 
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; 
novo 
até no coração das coisas menos percebidas 
(a começar pelo seu interior) 
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, 
mas com ele se come, se passeia, 
se ama, se compreende, se trabalha, 
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, 
não precisa expedir nem receber mensagens 
(planta recebe mensagens? 
passa telegramas?) 
Não precisa 
fazer lista de boas intenções 
para arquivá-las na gaveta. 
Não precisa chorar arrependido 
pelas besteiras consumadas 
nem parvamente acreditar 
que por decreto de esperança 
a partir de janeiro as coisas mudem 
e seja tudo claridade, recompensa, 
justiça entre os homens e as nações, 
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, 
direitos respeitados, começando 
pelo direito augusto de viver. 
Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome, 
você, meu caro, tem de merecê-lo, 
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 
mas tente, experimente, consciente. 
É dentro de você que o Ano Novo 
cochila e espera desde sempre.
(Carlos Drummond de Andrade)

Todo dia, é um dia novo...
Todo dia para ser feliz, ou não,  depende somente de nós mesmo.
Feliz dia todo dia!
Lua